Corre, rapaz!

Etiquetas

, , , ,

Fecha os olhos.
Abre os braços, como se asas sonhadas fossem
e sela os músculos… 
Corre rapaz, corre!
Corre como animal selvagem, monte abaixo;
Salta os tojos,
não te detenham as pequenas pedras soltas que rolam.
Tu és livre, rapaz…
Corre!
Não olhes para trás, não a deixes apanhar-te.
Corre.
Corre até não sentires os pulmões
e o teu sangue fazer parte do vento.
Não pares.
Corre até ao vale
onde o abraço meigo das velhas oliveiras,
tempo cansado que parou,
te ergueram o corpo frágil.
Corre,
que um dia a vida ir-te-á apanhar
nos seus ardis e labirintos,
arrancar-te as entranhas e secar as veias.
Corre, salta, voa enquanto podes.
Se acaso rasgares a pele na terra dura,
ergue-te, labe as feridas
cerra os dentes, detém as lágrimas
e faz da dor incentivo.
Não te percas em lamentações,
um dia o tempo rouba-te a inocência e a liberdade.
Corre enquanto tens as pernas leves.
Salta as horas da vida um dia, todos os dias…
Porque, quando abrires os olhos,
encontrar-te-ás perdido
numa qualquer esquina angulada
de um qualquer labirinto da existência…
Corre, rapaz. Foge!
Porque agora é o desespero que te faz correr.
Foge, rapaz!

António Patrício Pereira

Imagem|fotografia / Jacqueline Roberts (França)

Anúncios