Etiquetas

, , , , ,

Dos olhos que a saudade impõe
foge a vida,
o tempo não se transforma,
faz-se vazio.
Fica o olhar raso,
baço,
sem profundidade,
como se todas as liquidas vidas secassem
de uma vez… vagarosamente

Está o coração morto e ainda pulsa;
Veias abertas,
e do sangue resta a dor
que não se sente na carne
mas te salga as feridas rasgadas
na fragilidade dos dias.

Ainda que com o dorso arqueado
ao peso do silêncio…
permaneces entre os vivos.

António Patrício Pereira

fotografia / Natalia Drepina (Russia)