Etiquetas

, , , , , ,

Confesso que me espantam
as distancias que vou guardando nas mãos,
as sombrias madrugadas dos homens.
Por vezes encontro o vento que desfaz as tempestades
e acalma os corpos… tão belos.

Vejo os horizontes, daqui, em grande plano
e derramo o voo das aves na palma das minhas mãos;
Ilusão mantida de liberdade
que morre na rebentação dos mares
onde navega o coração dos que em mim vivem.

Da vasta paisagem gretada pelos sóis
salvo o azul de um olhar, o verde de um respirar
e a resina de um corpo esquecido…
Este meu corpo onde o sangue de que se alimenta a carne
vai completando o cíclico regresso à terra.

António Patrício

10273187_786972461320400_2540338128047119189_o

Anúncios