Etiquetas

, , , , , , , ,

E se o tempo morrer nos teus braços, meu amor,
entre o peso da noite e o cantar dos pássaros;
Não o chores!
Nenhuma morte é tão doce como a do corpo
que se entrega aos renascidos prazeres.

António Patrício

Se morrer o tempo (notas de rodapé XXIII)