Etiquetas

, , , ,

Atiras a magoar
uma a uma.
Afiadas como lâminas.
Bem talhadas em frio aço,
ferem, bem fundo cravadas
no desnorteado coração.
(Antes fossem pedras
das mãos largadas
em gesticulado desespero.)
Das que gritadas são
não lhes guardo o som
nem a forma,
dou-as ao espanto
do momento.
Apanho as que derramadas
pelo chão tombam, perdidas.
Repousam agora na minha mão
estendida.
Devolvo-te palavras
e fragmentos
da tua razão estilhaçada.

António Patrício